PROJETO MEIO AMBIENTE: CULTIVO DO HÁBITO DO USO DOS 5 rS

2011: Mais um ano letivo pela frente. Em 2010, realizamos com bastante êxito o projeto Gêneros Textuais (orais e escritos), objetivando conhecer, analisar e produzir textos ligados aos Valores Humanos. Neste ano, 2011,a proposta dos gêneros visa desenvolver habilidades e potencialidades relacionadas ao respeito pelo MEIO AMBIENTE, sobretudo à prática ao uso dos 5Rs (Respeitar, repensar, reduzir, reutilizar e reciclar). Por isso, abri um página - MEIO AMBIENTE - só com textos que discorrem sobre o tema. O IFMT campus Rondonópolis não pode prescindir, num momento de agonia do planeta, do seu papel de construção de cidadania. Aguardem!! “Se quisermos ter menos lixo, precisamos rever nosso paradigma de felicidade humana. menos lixo significa ter... mais qualidade, menos quantidade; mais cultura, menos símbolos de status; mais esporte, menos material esportivo; mais tempo para as crianças, menos dinheiro trocado; mais animação, menos tecnologia de diversão; mais carinho, menos presente... (Gilnreiner, 1992)

11 de janeiro de 2016

90 anos Comemoração - Azarias da Fonseca

Dia 28 de dezembro de 2015 não poderia passar em branco. Reunimos toda a família para comemorar o aniversário de 90 anos do meu pai - Azarias da Fonseca - Filhos, noras, netos, bisnetos e tataranetos. Esse foi o vídeo com um pouco da sua vida.

26 de março de 2015

CURSO DE EXTENSÃO “O IFMT E A POESIA NOSSA DE CADA DIA” EDITAL IFMT Nº - 113/2012/PROEX

Divulgo aqui algumas partes do Relatório final do curso de Extensão, denominado "O IFMT e a poesia nossa de cada dia, realizado no Instituto Federal de Mato Grosso - campus Rondonópolis com 25 alunos cursistas de alunos do próprio instituto e de escolas municipais e estaduais.  Logo abaixo, apresento algumas poesias escritas por alunos de 1º ano do Ensino Médio.

Às empresas parceiras: 
RECICLABAG, especializada na fabricação e distribuição de Big Bags e 
TRANSPORTE COLETIVO CIDADE DE PEDRA,

Nossas considerações por participarem conosco desse momento de letramento. A primeira, patrocinando o design e a impressão das poesias dos alunos cursistas em adesivos e à segunda por possibilitar que as poesias impressas circulem nos ônibus do município. Momentos de letramento são sempre relevantes para o desenvolvimento cultural de um povo.

O apoio dessas empresas,  além de motivar os extensionistas, elevando sua autoestima, também é uma forma de a empresa se impor como exemplo de cidadania, revelando a preocupação com a cultura de nossa gente. 

                                                                                                                     Grata            
                                                                                                                   

RESUMO DO PROJETO


Este Relatório descreve as atividades do Curso de Extensão “O IFMT E A POESIA NOSSA DE CADA DIA, realizadas no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso – campus Rondonópolis em parceria com a empresa de ônibus “Cidade de Pedra” e com a “Reciclabag. Objetivou-se preparar os extensionistas para produzir uma coletânea de poesias para circularem nos ônibus urbanos deste município. Com carga de 40 horas, o curso foi ofertado a 25 extensionistas, no período vespertino, das 13h30 às 17h00. Como metodologia, utilizou-se a sequência didática de produção, por meio de atividades fotocopiadas ou slides produzidos em Power point, vídeos e dinâmicas de relaxamento como forma de induzir os alunos a analisar, interpretar e sentir a mensagem de poesias de diversos autores. A cada final de cada encontro, depois da leitura, análise, fruição e interpretação do poema, com as devidas exposições teóricas, os alunos produziram poesias. Escolheu-se este gênero poesia, tendo em vista a necessidade de explorar na sala de aula um gênero que tem a capacidade de despertar os sentidos humanos, imprescindíveis no processo de humanização do homem.  Além disso, Rondonópolis é carente de produção deste gênero. O resultado do curso foi satisfatório. Muitas poesias foram produzidas, das quais, 45 passaram pelo processo de seleção, sendo impressas e divulgadas nos ônibus urbanos do município.

Palavras-chave: cidadania; cultura, fruição; ato criativo.


CONCLUSÕES

   
A parceria entre IFMT-campus Rondonópolis e as empresas privadas Reciclabag e Cidade de Pedra foi fundamental para conseguirmos alcançar o objetivo final cujo teor era divulgar poesia dos alunos cursitas à sociedade rondonopolitana. Ao todo, foram 45 poesias dos alunos cursistas circulando nos ônibus urbanos do município.
A metodologia, aliada ao campo propício da poesia, colaborou para aproximar os cursistas numa situação em que as vicissitudes inerentes a cada aluno iam sendo compartilhadas, sem máscaras, sem medo de prejulgamentos ou qualquer juízo de valor.
Deve-se considerar, no entanto, que enfrentamos algumas dificuldades, sobretudo, em relação: 1.  ao processo de divulgação que foi afetado, em virtude de as escolas estaduais estarem em greve. Das 25 vagas, apenas 21 foram ocupadas; 2. à desistência de alunos, provenientes das escolas municipais e estaduais, que, devido à greve de professores, tinham de frequentar as aulas de reposição no período em que o curso de extensão estava sendo oferecido.
Ressalte-se ainda que todo o estudo foi orientado para despertar no aluno o desejo de vivenciar o respeito pela cidadania, visando ao bem-estar da sociedade e para mostrar a ele que a poesia também cumpre sua função social e é um ato criativo acessível a todos.
Encerra-se este relatório com as palavras da filósofa e poetisa Viviane Mosé, retiradas de poesia “Receita para lavar a palavra suja” e da cursista Bruna Michele, retiradas de depoimento em anexo:

“Mergulhar a palavra suja em água sanitária.
Depois de dois dias de molho, quarar ao sol do meio dia.
Algumas palavras quando alvejadas ao sol
adquirem consistência de certeza”.


De repente um sentimento enorme tomou conta de minhas mãos
e num “toque de mágica” estava escrevendo um poema.
Não estava escrevendo...
estava sentindo com frescor aquilo que escrevi


Abaixo, as poesias. Obrigada a todos os cursistas que deram show de produção. Revelação total!!!!
Pai
    Tatiane Michelly Rossi

Pai, me desculpe
Pelas vezes que não pude 
Ouvir seus conselhos,
Pelos finais de semana
Que não pude ir lhe visitar.

Pai, desculpe-me pelas mágoas
E irritações que lhe causei
Me perdoe!?!
Pai, parabéns pelo seu dia,
Oportunidade que no passado

Também deixei passar!


A nossa poesia
Alex Bruno Oliveira Silva

Não sei por que motivo
Sempre escrevo sobre nós,
Poesia sobre nós.

Faço arte que vem do coração?

Poesia,
Será feito arte de criança
Quando do mundo faz fantasia?

Acho que somos poesia,
Rimamos tão bem,
Sempre em tão perfeita sintonia.
[Na minha frequência. Somente na minha].

Você ainda não ouve
O pulsar, ar, ar,
O latejar, ar, ar,
[Do meu coração].
Que batia! Bate! E que por você baterá!

Mas, um dia você saberá.
Saberá o que é arte,
O que é poesia.
E passará a viver a minha,
Que será a nossa,
Nossa secreta poesia.                     


Um novo dia
Alex Bruno Oliveira Silva

O orvalho se encontra sobre a mais frágil folha.
O friozinho da manhã faz com que a gente se encolha.
O sol irradia muita esperança e libera boas energias.
Há quem faça já de manhã suas belas analogias. 

Nasce Um novo dia! Brotam oportunidades!
A moradia-coração abriga saudades.
Tudo parece gritar para que reine a santa paz,
E isso só se consegue com quem consigo a traz.

Essa nova manhã é campo propício para poetizar,
É folha em branco pronta para se desenhar,
É parte dum dia que tem muito pela frente

E que precisa de pessoa corajosa, persistente.

Vidas passageiras
Alex Bruno Oliveira Silva

Partem sem avisar, vidas passageiras.
Viajam ultrapassando fronteiras.
Feito gelo elas derretem, evaporam.
E no último suspiro às vezes choram.

Não levam consigo o passaporte
Porque o motorista é a Morte.
Ela deixa todos passarem. É boa,
Feito música silenciosa que soa.

Passam pela esteira da existência.
[E do começo ao fim]
Apresentam a mesma essência.

Como elas você está de passagem.
Siga as instruções e não tente fugir:
Prepare a bagagem
E permita-se ir.                      


Carinho
Alex Bruno Oliveira Silva

Se carinho é pra toda hora,
Há momento melhor que agora?

Não importa se é na tristeza
Que se o faz.
A intenção é acabar com a frieza
E a melancolia que se traz.

Na alegria, ele vem de propósito
Para alimentar o que se sente.
E faz do coração um depósito,
Que serve pra ele e pra gente.

No desespero, ele é remédio.
Acalma o ânimo e o faz levitar.
Transforma a preocupação em tédio
E cura até com o mais terno olhar.

A tranquilidade é Estado seguro
Que deporta a inquietação,
E registra o cidadão prematuro
Que tem o sobrenome “Afeição”.

Dito que carinho é pra toda hora, [sempre]
Erga a cabeça e sinta-o sem demora.
                          
                                                                          

 Estrelas, mol e liga de aço
Alex Bruno Oliveira Silva

Como as estrelas do céu
Que rodeiam a lua
Os amigos brilham.

Brilham como o sol,
Atirando raios de ternura.
E brilham e aquecem
Na medida exata.
Acertam na lata!

E cada qual é cada 1 mol.
Diferentes na constituição,
É isso que desperta
A eterna emoção.

Não são iguais.
Nem quero!
Só quero poder ser
Um dos pedaços
Do laço de aço,
Sem a ferrugem,
Que surge do aço sem liga.

Não quero perder aquilo que tanto nos liga,
Perder a nossa amizade
Feita de liga de aço,
Que liga-nos feito laço [de aço].   
                      
                                                                           

Borboleta
Alex Bruno Oliveira Silva

Claro que não será da noite para o dia que tudo mudará
                                                          [que você mudará]!
Mas creia grandiosamente que será
nos pequenos movimentos iniciais
que a “borboleta” baterá as asas
e, incansavelmente, lançar-se-á
num grande e venturoso voo.

Ela voará sem saber o que por ela espera.
Somente baterá as asas.
Sabiamente ela coordenará seu próprio voo.
Porém, os ventos nada respeitam:
Virão impiedosamente e a tirarão do ar.
A borboleta persistente não desistirá!
Novamente se lançará em voo...

Não continuo a história.
Preciso lançar-me a meu próprio voo.
Se os ventos vierem e me tirarem do ar,
não se preocupem...
Novamente me lançarei ao ar!
  

Vida
       Tatiane Michelly Rossi
A vida da gente…
É como um balão
voa sem rumo
E passa sem ter hora certa,
Some sem deixar recado,
Segue em frente
De repente.
Quando ele estoura,
Acaba o presente.
Dessa forma é a vida da gente!
                                                                          
Na linha da “vida”
Tatiane Michelly Rossi
De manhã, despertamos
Com o cheiro do cafezinho
Caindo na chaleira
E com o do pão quentinho
Saindo do forno.
Com aquele apetite
Nos deliciamos na mesa,
Às vezes, farta.

Na escola,
Alunos alegres, tristes,
Bem ou mal-humorados ...
Professores sempre disponíveis,
[Problemas pessoais esquecidos]
Se dedicam a ensinar.
O aluno esquenta a memória
Aprende apenas um pouco
Do que os professores sabem de um tanto
que junto com outro tanto seu
Sabe que será só Seu.


                                                                    
Mar à vista

Autora: Tatiane Michelly Rossi

O sol tão distante...
De longe vejo o monte,
Os pássaros a voar,
As nuvens carregadas

Eu, com alegria, não vou dispensar
o aromada areia molhada
que não quero só sentir;
quero também desenhar.

Nas ondas do mar tão brilhantes,
Também quero surfar.
Dos pés de coco carregados,
Um pouco de água deliciar.

Essa vai para todos
Que já admirou, ou não
[como eu]

A vista do mar.

   
 Consciência ambiental
                  Autora: Tatiane Michelly Rossi


Nunca vi coisa igual,
Com lixo, nada é natural!!!

Separe aqui e acolá
Vamos colaborar?

Antes disso, não demore,
Não destrua, não explore.

Diga sim à natureza,
Diga não à lixarada!

Só consuma o necessário
Vale a pena repensar.
 
Coloca aqui e acolá,
Só não vale misturar!

Sem demora, é a hora  
De aprender a reutilizar.

Reutilize aqui, recuse acolá
Vamos juntos reciclar.

 Da imagem
        Tatiane Michelly Rossi

Eu, sentado sob o luar,
Sinto acontecer...
Inclino a cabeça concentrado
Vejo o anjo do prazer!
Sem nenhum movimento
Vejo acontecer...
O anjo era.
Era a inspiração
que eu procurava diante à solidão.

Você e as rosas
         Tatiane Michelly Rossi

Rosa vermelha
Rosa branca
Sinto que você
É minha esperança.
       
Rosa vermelha
Rosa branca
Você é o meu
Pássaro que canta.

Rosa vermelha
Rosa branca
Você é linda
Usando a manta.

Rosa vermelha
Rosa branca
Você no meio delas 
É a liderança.

Rosa vermelha
Rosa branca
Você é uma das
Que a brisa balança.

Rosa vermelha
Rosa branca
Você já foi a esperança
Que um dia o vento levou.

Rosa vermelha
Rosa branca
Você será a única coisa
Que não sairá da lembrança.                     

Desencanto
           Janaína Meneses Carvalho

As nuvens choram neste instante
Não sou mais amante.
O aroma das flores não posso sentir
A janela não mais consigo abrir.

Um barbante...
Um laço de família...
Um laço de amigos...
Um laço. Apenas um laço.

Um laço onde vejo escrito “Vida”,
Às vezes em linha reta
Às vezes cheio de nós...
Às vezes interrompido, cortado...

Corte que não pode ser remendado.
Mas que pode ser recomeçado.
                   

O que sinto é infinito
            Janaína Meneses Carvalho

A vida é uma só
Então que seja bem aproveitada
O que sinto por ti é inexplicável
Portanto, deixar-te-ei ser feliz mesmo desesperada.

Por mais que esteja difícil
Vou compreendê-lo com sorriso
Sua alegria me deixa contente
Continuar a viver de você preciso.

Se a teu lado ficarei
Não sei; mas tenho fé
Em Deus, que terei
Sua confiança.

Não importa quanto tempo,
O que importa é o que sinto
Não sei explicar;
Mas o que sinto é infinito.
                                                                         
                   
Tudo mudou
            Janaína Meneses Carvalho

A luz se apagou
E veio a escuridão.
A chama quase se acendeu
Mas bateu vento frio em meu coração.

A corda da viola arrebentou
A música não é mais tocada
O som emudeceu
A voz ficou calada.

O brilho das estrelas
Se acabou
O céu está nublado
Triste o dia ficou.

Lágrimas de sangue
Meu coração derramou
O vento silencioso
Se tornou.

A água doce
Tornou-se salgada.
O fogo se congelou
Mas a menina ainda quer ser amada.
                                                       


Pai

Suellen Martins Xavier

Homem de fé, severo,
Sempre presente, amigo, leal.
Às vezes, exigente demais em seu amor.

Saudades
Das tardes de domingo...
Do arroz com pequi.

Das risadas, das brigas,
Dos festivais de filmes
De Bang-bang...

Ah! Quantas saudades
De você,
seu Jéso.

Minha Florzinha

Suellen Martins Xavier

Como descrever seu olhar
Que me arrepia, inebria,
Me encanta, extasia?

Ah! E aquele sorriso, meigo, suave
Cheio de carinho, amor e doçura
Que me faz crescer o coração?

Como descrever sua pele alva, tão delicada?
Seus cabelos, seus cachos?
Como descrever o meu amor

Por esta pessoa tão pequena
Que me faz ser melhor a cada dia,
Que exerce sobre mim

Uma força de atração sem igual?
Ah! Como dizer e escrever
O que sinto por você,

Minha pequena flor?
Meu raio de sol, minha vida,
Minha Mariana, minha filha!

  
Meu amor

Suellen Martins Xavier


Cheiro de flor suave
Que me deixa louco, alucinado,
que me faz querer mais e mais
Dos teus lábios.

O doce mel que vem
Da sua boca vermelha,
Que me queima todo.
Arrepios de calor.

Com o toque das suas mãos,
Que me acaricia.
Sinto-me completo.
Repleto de amor...

de energia, que me completa!
Quero acordar, me queimar
No seu calor, desejo que vem
E não passa.

Acordar em teus braços,
Doce-menina-mulher,
me faz querer, cada vez mais,
a sua presença.



A favor da gravidade
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha


Lágrimas são como pingos de chuva
Surgem…Não sei de onde.
A favor da gravidade caem
Vão caindo… Caindo
Despencam num silêncio profundo
E tornam-se um nada
Após um mísero segundo.

Teu olhar
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha


Pelas nuances desse teu olhar
Embriago-me em tua beleza
De longe fico a flertar-te
Perdida nesta incerteza.
                            
Estrelas
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha


As nuvens dizem:
Há estrelas no céu!
Desenho no papel…
Os peixes falam:
Há estrelas no mar!
Fico a sonhar…
Chuvas e gotas
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha


Sem mais delongas
Lá fora, a chuva cai…
Aqui dentro, somente gotas
Que minha alma abstrai

                                                       Solidão
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha


Fria como o sorvete
Que quer derreter
Calada como o silêncio…
Que nunca dá para entender


Futuro diferente do verde
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha

Ontem o verde transmitia esperança
E se refletia ainda vivo nas árvores
E amanhã o que dirá à inocente criança?
Que seja a verdade.


A vida
Bruna Gabrielle de Sousa Rocha

A vida é tão ínfima
Faz se vítima do tempo
Me parece leve
Tão breve como as nuvens

Neste exato momento.

Com alma e coração

Hítalo Gonçalves Moreira


A poesia.
Ah! a poesia.

Que expressa deveras
O que a alma nega.

Alma cheia de escuridão
Que esquece quão importante
É assumir o coração.                    

Meu arco-íris
Hítalo Gonçalves Moreira

Na nuance das cores do arco-íris
Reverencio o tom mais belo
O dos teus olhos.
No mesmo degradê
Admiro a mais sublime das cores
A da sua pele.
Nessa escala de cores
Extasio-me com a esplêndida cor
De seus macios cabelos.
Assim se forma o meu arco-íris
Com cores jamais vistas.

Meu querido amigo livro
Hítalo Gonçalves Moreira

Mais uma página se abre,
Mais uma história se ergue,
Mais uma vida que viverei.

Somente a ti me dedicarei
Até arrancar de suas linhas
Cada detalhe de vidas minhas.

Só ao teu lado viverei
O que de má vontade me negarei.

Negar-me-ei
Ao que chamam de real.
Pois nos meus devaneios
e nas tuas amigas linhas,
Tudo é possível.


Crescendo
Hítalo Gonçalves Moreira

Lembro-me
De quando era criança,
De quando nada-tudo sabia,
Que papai Noel existia,
Que a vida
Da sementinha viria.

A criança cresceu,
Papai Noel morreu,
Sementinha nunca existiu,
E a vida se tornou
O que ninguém nunca mencionou.

Somente a você
Hítalo Gonçalves Moreira


Em pensamentos deleitosos
As rosas me tomam por assalto
Lindas...
De uma beleza estonteante,
De um perfume embriagante,
De uma delicadeza extravagante.
Rosas, minha amada,
Que se igualam a você.